• Imunogenix

POR QUE A DIETA MEDITERRÂNEA FAZ TÃO BEM À SAÚDE?


Olá! Muitas vezes o assunto “Dieta” é bastante complexo. Muitos falam que uma é ruim… a outra dieta é melhor… Mas, na realidade, os resultados de cada dieta são únicos - dependendo muito da forma como o organismo de cada pessoa corresponde às mudanças alimentares.


Individualidade. E foi exatamente este ponto que chamou a atenção de diversos pesquisadores ao longo tempo: Mesmo com as respostas individuais do nosso corpo, observaram que há uma região em que as pessoas têm alta expectativa de vida e baixa incidência de doenças crônicas. Estes estudos chegaram à Dieta Mediterrânea!


A base dessa alimentação inclui frutas, vegetais, peixes, azeite, uma pequena quantidade de vinho e derivados do leite, baixo consumo de carne vermelha e nada de embutidos, enlatados e os alimentos ultraprocessados.


A dieta mediterrânea é considerada segura por combinar não só a diversidade na alimentação, como também um modo de vida mais saudável. Isso porque faz parte de uma cultura em que a atividade física está bastante presente no cotidiano (eles priorizam a forma como tais alimentos chegam à mesa: plantando, colhendo, pescando, cozinhando, respeitam a sazonalidade dos produtos e também caminham bastante).


O conjunto destas ações trazem uma melhora significativa na saúde, ocasionando diferenças até mesmo nos biomarcadores dos exames de rotina, veja alguns dados:


🔸 Redução de 25% dos riscos de doenças cardiovasculares;

🔸 Mudanças nos sinais de inflamação, no metabolismo da glicose e da resistência à insulina e no índice de massa corporal;

🔸 Melhoras da pressão arterial e das taxas de colesterol, como índices de LDL mais baixos.



⚠ Mas é preciso cuidado: Consumir grandes quantidades destes alimentos (mesmo os preconizados na dieta) e levar um estilo de vida sedentário, gastando poucas calorias, pode resultar em quilos a mais.


👉 O ideal para quem deseja um emagrecimento saudável sempre será recorrer ao acompanhamento com um profissional de saúde devido ao que comentamos no início desse post: as necessidades individuais.